• Últimas notícias

    quinta-feira, 9 de março de 2017

    Impunidade: Tribunal da Justiça nega prisão e autor confesso de morte de compositor Filipe Yves pode ser solto



    O autor confesso de participação da morte do compositor e cantor Felipe Yves, Andrei de Jesus dos Santos, o Lacoste, 22 anos, pode ser solto a qualquer momento. Segundo a polícia, o Tribunal de Justiça da Bahia (TJBA) negou na manhã desta quinta-feira, (09-03-17), o pedido de prisão temporária solicitado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHHP).

    Segundo informações de investigadores da DHPP, o pedido foi feito na noite de quarta-feira, mas negado por uma juíza do Plantão Judiciário, alegando que não há motivos suficientes para sustentar a prisão, como a exemplo de laudo cadavérico e prova material do crime. “É difícil de acreditar. Estamos bem servidos com essa nossa Justiça, em especial a baiana”, declarou um dos investigadores do DHPP que está no caso Felipe Yves.

    Ainda de acordo com a DHPP, Andrei e um adolescente de 17 anos foram encontrados com um revólver calibre 38, que teria sido usado no crime, no bairro da Boca da Mata, onde Felipe Yves foi brutalmente assassinado – ele baleado, decapitado e depois teve o corpo queimando na localidade de Independência, região dominada pela facção Bonde do Maluco (BDM).

    A prisão temporária foi solicitada também para o líder do BDM na Boca da Mata, Ueslei Silva Sarinho, o Helis, apontado nas investigações como o principal envolvido no crime. Informações dão conta de que ele não está mais na região de Cajazeiras, mas a polícia tem intensificado as buscas na região metropolitana de Salvador, Como Camaçari, Simões Filho e Dias d’Ávila, após apurações do Serviço de Inteligência (SI) da Secretaria de Segurança Pública.
    Rivalidade
    Ainda de acordo com fontes do DHPP, Felipe Yves foi assassinado pouco depois da 5h de segunda-feira. Andrei e o adolescente contaram aos investigadores que o cantor chegou passou a madrugada bebendo na Independência.

    “Ainda não sabemos exatamente como ele chegou lá (Independência), mas que num determinado momento, os traficantes perguntaram quem ele conhecia na comunidade, foi aí que resolveram mata-lo”, contou a fonte.

    Felipe Yves disse que conhecia um rapaz chamado Euler, que mora na localidade de Fazenda Grande II, região que dominada por traficantes rivais.

    “Então, levaram ele para um matagal, perto de um campo de futebol e o mataram. Felipe morreu com quatro tiros”, disse o policial.
    Protesto
    Ainda estarrecidos com toda situação, parentes não quiseram falar sobre o assunto nesta manhã. No entanto, eles organizam um protesto na manhã deste domingo. Horário e local ainda não foram divulgados.

    Informações Informe Baiano e Correio

    Polícia

    Bahia

    Serrinha