Últimas notícias

Caso Michel Sá: suspeito de envolvimento no crime é preso

[Caso Michel Sá: suspeito de envolvimento no crime é preso]
motorista rodoviário Luciano Pinho da Silva, de 35 anos, morador do bairro de Castelo Branco, em Salvador, apontado pela Polícia Civil como co-autor do assassinato do ex-assessor parlamentar Michel Sá, acaba de ser preso. Ele foi encaminhado para a sede da Polícia Civil, no bairro da Piedade. 
A investigação do caso segue agora com o núcleo da Polícia Civil, saindo da Delegacia de Furtos e Roubo a Veículos. Fazem parte da investigação cinco delagados e 17 agentes. O delegado que está à frente do caso é Delmar Bittencourt, Departamento de Crimes Contra o Patrimônio (DCCP). 
Em conversa exclusiva com o BNews, na tarde desta terça-feira (21), Luciano explicou que a polícia chegou até ele porque o carro dirigido por Gabriel Bispo dos Santos (acusado de matar Michel Sá) no dia do crime, um modelo HB20, estava no nome dele. "Pela placa do carro pegaram meus dados. Há um ano e meio vendi meu carro para um cara lá em Camaçari, que me pagou um valor e assumiu as parcelas restantes", afirmou, lamentando não ter dado baixa no Detran. "Não sei como faz isso. Vendi na confiança, mas tenho o documento que comprova a tranferência que fiz no Fórum e é este documento que vou levar na Polícia". Desnorteado e ainda sem advogado, Luciano afirma ser trabalhador e que possui escala de trabalho a ser comprovada pela empresa de turismo que diz trabalhar, a Prime Viagens & Turismo Ltda. "Desconheço todos (Gabriel e Michel) e virei assassino da noite para o dia.
O caso e a investigação
Gabriel Bispo dos Santos, de 22 anos, morador de um condomínio de classe alta no bairro da Paralela, em Salvador, confessou que matou o assessor parlamentar, Michel Sá, de 34 anos. Gabriel segue foragido.

Michel foi encontrado morto na sexta-feira (17), com marcas de tiros pelo corpo, atrás do Shopping Paralela, momentos depois de ter encontrado Gabriel. "Ele confessou o crime. Disse que matou porque achou que Michel era estelionatário", afirmou ao BNews o advogado de Gabriel, Hudson Dantas. De acordo com Dantas, Gabriel também foi vítima de um golpe e "depositou R$ 59.500 mil na conta que seria de Michel, quando na verdade os dois - ele e Michel - estavam sendo vítimas de um golpe".

Na noite de segunda-feira (20), a Polícia Civil incluiu Luciano nos autos como co-autor do crime. Em menos de 24 horas, os policiais identificaram os acusados. Além de outros elementos para investigação, como o depoimento de testemunhas, imagens de câmeras foram analisadas.