Últimas notícias

Vídeo: Gerente da Caixa é acusado de racismo dentro de agência


Um homem alega ser vítima de racismo por parte de um gerente da agência Caixa Econômica, próxima ao Relógio de São Pedro, na Av. Sete de Setembro. O autônomo Crispim Terral divulgou um vídeo na tarde desta segunda-feira (25), em que estava acompanhado da filha quando tudo aconteceu.  Nas imagens, o homem chegou a ser imobilizado por policiais e jogado no chão, na frente de sua filha de 15 anos.
No relato, crispim alega que teve o atendimento negado por quase cinco horas e diz que o gerente, de prenome Mauro, o tratou com indiferença. O gerente chegou a ameaçar chamar uma guarnição para que o cliente se retirasse do local.
O acusado pede para que policiais algemem Crispim e na sequência ele é imobilizado por um policial militar, que lhe aplica um golpe no pescoço, conhecido como “gravata”.
Veja no vídeo:

“Pela oitava vez, desta vez na companhia de minha filha menor fui surpreendido Mais Uma Vez pelo Sr. Mauro gerente responsável pela minha conta naquele momento que me atendeu de forma indiferente enquanto me deixou esperando na sua mesa por quatro horas e quarenta e sete minutos e foi atender outras pessoas em outra mesa, Indignado com a situação me dirigir a mesa do gerente general o Sr. João Paulo que da mesma forma e ainda mais ríspida me atendeu com mais indiferença, Quando Pensei que não poderia piorar foi surpreendido pelo senhor João Paulo com a seguinte fala “se o senhor não se retirar da minha mesa vou chamar uma guarnição” e assim o fez chamou a guarnição, dois policiais me pediram no primeiro momento de forma educada para que pudéssemos nos dirigir juntamente com gerente até a delegacia para prestar esclarecimentos, até aí tudo bem O problema foi que ao descer ao térreo da agência o gerente o senhor João Paulo falou que só iria à Delegacia se os policiais me algemassem, e que ele “não faz acordos com esse tipo de gente” eu tenho um vídeo desse momento terrível e absurdo, está disponível para vocês verem em pleno século 21 fui tratado de forma ríspida e claramente fui vítima de preconceito racial”, contou Crispim em mensagem enviada pelo whatsapp.