Últimas notícias

Eleições 2020: Situação eleitoral em Conceição do Coité ainda é incerta

[Eleições 2020: Situação eleitoral em Conceição do Coité ainda é incerta]

Tido como um dos polos eleitorais mais importantes da região do Sisal, Conceição do Coité é alvo de cobiça do cenário estadual. Na microrregião, o município exerce influência no campo econômico e político, perdendo apenas para Serrinha, que tem um PIB, colégio eleitoral e número habitantes superior.  

Conforme dados de 2018 do Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA), Coité possui os vistosos 50.870 eleitores. O município, segundo dados estimativos para 2019 do IBGE, possui 66.612 habitantes. 

Como poucas cidades baianas, Conceição do Coité possui dois deputados estaduais de diferentes polos políticos locais: Tom Araújo (DEM) - três mandatos -, ex-prefeito e filho do ex-líder político do grupo que governou a cidade por 40 anos, e  Alex da Piatã (PSD) – dois mandatos -, ex-vice-prefeito e principal aliado político do atual prefeito, Assis (PT).

Assis e Alex foram os responsáveis, após a construção da unidade do grupo do qual fazem parte atualmente, pois foram adversários na eleição de 2008. Em 2012 venceram a eleição para o grupo ligado ao deputado Tom Araújo. Dois anos depois, Alex conseguiu se eleger deputado e cresceu no cenário político estadual.

No pleito de 2016, Assis conseguiu um feito histórico: primeiro prefeito reeleito para um mandato seguido. O político venceu dois ex-prefeitos da oposição: Vertinho e Renato Souza.

Na chapa de Assis, como vice, a esposa do deputado Alex, Val, principal aglutinadora de votos naquela ocasião. Ela foi a primeira mulher eleita para cargo no Executivo municipal e atualmente é a secretária de Assistência Social do município. 

No cenário político atual para sucessão de Assis, o nome dela é o mais forte dentro do grupo. Contudo, encontra resistência no núcleo duro do PT, pois querem frear o crescimento de Alex, e preferem o vereador e ex-presidente da Câmara, Danilo Ramos para encabeçar a chapa. 

Questionado se pressionará o prefeito em favor da sua esposa, o deputado Alex da Piatã, reiteradamente tem dito em entrevistas que a escolha caberá ao prefeito Assis. 

Outro nome da base que corre por fora no indicativo ao Executivo é o vereador mais antigo da Casa em mandatos e primeiro do PT a ser eleito na cidade, Betão Gordiano (PT). Habilidoso, sofre resistência do próprio grupo por não ler a cartilha petista à risca, o que desagrada aos mais xiitas. 

Também da base, a secretária da Educação do município, Perpétua Sampaio, que nunca assumiu cargo eletivo, é lembrada, por causa do seu trabalho à frente da pasta. Na mesma linha também aparece o nome do sindicalista da área rural, Urbano Carvalho. 

No campo da oposição, o nome com maior evidência é o do ex-prefeito Renato Souza (PRB). Apesar de não pertencer à linhagem parental do deputado Tom Araújo, diferente de Vertinho, por exemplo, Souza tem maior penetração na zona rural do município e tem maior habilidade no trato com lideranças políticas. 

O nome da esposa de Vertinho, a ex-secretária da Educação, Genilda Ramos, de família tradicional da política local, é posto como uma alternativa de oxigenação do grupo para o enfrentamento do grupo de Assis e Alex. 

O vereador Nego Jai, o mais aguerrido da oposição, também é cogitado como uma alternativa do grupo, assim como também o filho do empresário Jorge Tirço, Jarbas Carneiro, como uma possibilidade do discurso de renovação. 

Por fora, independente, se especula o nome do vereador Iêdo Cirino (PSD), que rompeu com o grupo de Alex da Piatã para apoiar o vereador Ernandes para presidência da Câmara. Pode ter o apoio do médico Robson Cedraz, concorrente competitivo no pleito de 2004 e cujo capital político não tem densidade como antes.