Revendedores de combustíveis rebatem Bolsonaro - PORTAL FERRAZ E O POVO

Últimas notícias

Revendedores de combustíveis rebatem Bolsonaro

 


Por Samanta Sallum

O Sindicombustíveis no DF reagiu à declaração do presidente Jair Bolsonaro de que os culpados pela elevação de preços dos combustíveis e gás de cozinha são o ICMS estadual e os revendedores.

O sindicato aponta que, desde de novembro de 2020,  a  Petrobras passou a realizar vários reajustes seguidos,  foram no total 12 elevações de preços nas refinarias, que somaram 65% de aumento.

Isso significou que o litro da gasolina saiu de R$ 1,7190 na refinaria em Brasília e Goiânia para R$ 2,8372 totalizando R$ 1,1180 de repasse às distribuidoras. Nesse mesmo período, segundo dados oficiais da Secretaria de Fazenda do DF, o preço médio praticado nos postos na capital passou de R$ 4,5280 para R$ 5,7370, o que representa acréscimo linear de 26,7%.

Aumento do etanol

Além dos reajustes nas refinarias, no mesmo período, o etanol anidro, que compõe em 27% a gasolina tipo C entregue aos consumidores, também sofreu elevação de 36% devido à quebra de safra.

“Portanto, fica numericamente claro que a revenda não tem nenhuma participação nesta elevação de preços dos combustíveis, mas apenas o repasse referente aos reajustes ocorridos em um mercado livre que sofre forte influência internacional dos preços do petróleo e da variação cambial no Brasil”, afirma Paulo Tavares Presidente do Sindicombustíveis no DF.

Reforma tributária 

O secretário de Economia do DF, André Clemente, afirma também que os estados e o ICMS nao são culpados pelo preço dos combustíveis.

“Um política econômica eficaz e uma reforma tributária de verdade talvez coloquem fim de uma vez por todas nesse assunto e o Brasil volte a crescer. Assim a qualidade de vida  e o  poder aquisitivo do cidadão podem melhorar”, aponta Clemente.

Pandemia

Segundo o Sindicombustíveis,  a Petrobras precisa rever sua política de preços e reajustes. “Pois, com este modelo, os verdadeiros responsáveis são as crises econômicas e principalmente a pandemia pela constante elevação dos preços, tanto dos combustíveis fósseis quanto do gás de cozinha.  E a população que já sente a inflação batendo recordes, irá sofrer cada vez mais”, completa Paulo Tavares