Rádio Web Ferraz

RÁDIO WEB FERRAZ

Últimas notícias

Condutores da região do Sisal, discutem a não valorização da classe

 




Na manhã dessa quarta_feira (19), uma discussão entre condutores de urgência e emergência, da Região do Sisal, chamou a atenção.

 Com  os dois  anos da pandemia do covid 19, um assunto chamou a atenção. A não valorização do  condutor de ambulância. Linha de frente em todas as situações,que  além de dá suporte a equipe médica, é quem conduz o veículo com segurança e responsabilidade conduzindo a vida do paciente e da equipe médica. O estresse do trânsito, com alguns motoristas que não sabem o significado de uma sirene ligada entre outros. Um bate _papo entre os profissionais da estrada, em um grupo intitulado "condutores da Região Sisaleira"foi bastante movimentado. Porque, os colegas começaram a citar os valores que eles recebem nas respectivas cidades. De contratados a concursados, que fazem o mesmo trabalho e não tem nem uma valorização da parte política.

Cidades da região do sisal como "Santa luz", que  salário dos condutores é de 1300 Reais mais 50 reais se viajar. Entre outros assuntos a questão de folgas, quando tem cidades que contratados trabalham 24 :hs e folgam  três dias já os concursados trabalham 24 e folgam cinco dias.

O que a discussão chamou a atenção é que por fazerem o mesmo trabalho, os guerreiros do asfalto, querem reconhecimento principalmente  o financeiro.

 Cobranças sobre valorização e aumento de salários, não são permitidas paras os condutores contratados,  por medo de perder o emprego.

O condutor de ambulância, tem gastos com cursos de "APH" atendimento pré_ hospitalar de "BLS"suporte básico de vida e de urgência e emergência entre outros, mas, são os últimos a serem lembrados..
 

ATENÇÃO: DEPUTADOS,SENADORES,PREFEITOS E VEREADORES.

VAMOS VALORIZAR ESSA CLASSE QUE SOFRE COM CARROS SUCATEADOS,PISTAS IRREGULARES, RISCOS DE CONTRAIR DOENÇAS E NÃO SÃO VALORIZADOS.

A REGIÃO DO SISAL, TEM OS DEPUTADOS ESTADUAL, TOM, OSNI E ALEX DA PIATÃ.. VAMOS OLHAR  PARA ESSES GUERREIROS.

Por: Dida negrão