Últimas notícias

Baianos Tiago e Aroldo Cedraz têm investigação sobre tráfico de influência arquivada por TCU

Baianos Tiago e Aroldo Cedraz têm investigação sobre tráfico de influência arquivada por TCU
Foto: Reprodução / Montagem
O Tribunal de Contas da União (TCU) arquivou a investigação que apurava a suspeita de tráfico de influência do advogado Tiago Cedraz nos gabinetes do pai dele, ministro Aroldo Cedraz, ambos baianos, e do atual presidente da corte, Raimundo Carreiro. Mesmo antes da conclusão do inquérito que apura o caso – que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF) – a decisão pelo arquivamento foi tomada nesta quarta-feira (22), por unanimidade. Segundo a Folha, a apuração no TCU foi aberta em 2015, após delação premiada do empresário Ricardo Pessoa, da UTC, na Operação Lava Jato. Pessoa disse ter feito pagamentos a Tiago para obter informações privilegiadas no TCU e também para conseguir decisão que favorecia a empreiteira em processo sobre as obras da usina de Angra 3. Outros colaboradores reforçaram as acusações. Questionados, Tiago, Aroldo e Carreiro sempre negaram envolvimento nas acusações. Nesta quarta, durante a sessão que pediu o arquivamento, os ministros seguiram o voto do corregedor do TCU, José Múcio Monteiro. O corregedor propôs que a sindicância sobre o caso seja encerrada por "ausência de provas" dos "atos irregulares" apontados, "sem prejuízo de que as investigações sejam reabertas, na eventualidade de virem a conhecimento fatos novos revelados por outras instâncias apuratórias". Ainda segundo a Folha, o presidente do TCU encerra seu mandato em dezembro. Auxiliares afirmam que o arquivamento da investigação ajudaria a diminuir resistências dentro do TCU e contribua para reeleição de José Múcio.