Últimas notícias

A luta do Papa contra Satanás

O diabo tem duas armas muito poderosas para destruir a Igreja: divisões e dinheiro.
O diabo tem duas armas muito poderosas para destruir a Igreja: divisões e dinheiro. (Reprodução/ Vatican Insider)
Por Andrea Tornielli
Em cinco anos, ele o citou mais vezes do que seus predecessores fizeram juntos no último meio século: para o Papa Bergoglio, o diabo e sua capacidade de divisão, são tópicos comuns em sua pregação diária. Uma pregação contracorrente, já que o maligno há muito tempo estava ausente. Aqui está uma revisão pequena e incompleta das citações.
A última vez que Francisco falou sobre o diabo estava com um grupo de jesuítas durante sua recente viagem a Mianmar, ao referir-se ao Rohingya e, em geral, à situação dos refugiados, ele disse: "Hoje há muita discussão sobre como salvar os bancos..., mas quem salva a dignidade dos homens e das mulheres hoje? Ninguém mais se preocupa com as pessoas que mais sofrem. O diabo consegue fazer isso no mundo de hoje".
Desde sua primeira homilia na missa concelebrada com os cardeais na Capela Sistina após sua eleição, em 14 de março de 2013, Bergoglio, depois de citar uma frase de Léon Bloy, afirmou: "Quando não professamos Jesus Cristo, alguém professa a presença do diabo no mundo". No dia seguinte, durante um encontro com os cardeais reunidos na Sala Clementina, o novo Pontífice, sem ler seu discurso escrito, disse: "Que nunca sejamos silenciados pelo pessimismo, essa amargura que o diabo nos oferece todos os dias".
Dirigindo-se à Gendarmaria do Vaticano em 28 de setembro de 2013, Francisco recordou que "o diabo procura criar uma guerra interna, uma espécie de guerra espiritual e civil". Na homilia de Santa Marta em 14 de outubro de 2013, o Papa argentino convidou-nos a não confundir a presença do diabo com doenças mentais, "Não! A presença do diabo está na primeira página da Bíblia".
Em 29 de setembro de 2014, em outra homilia em Santa Marta, Bergoglio explicou que "Satanás é o inimigo da humanidade. Ele é astuto: a primeira página de Gênesis nos diz, ele é ardiloso. Ele apresenta as coisas como se fossem boas. Mas sua intenção é a destruição, talvez com 'desculpas humanas'".
Em 3 de outubro de 2015, falando novamente para a gendarmaria do Vaticano, Francisco lembrou que "Satanás é um sedutor, ele semeia perigos escondidos e seduz com força, com um encanto demoníaco que leva você a acreditar em tudo. Ele sabe vender com esse encanto, ele vende bem, mas paga mal no final! "
Em 12 de setembro de 2016 na homilia da manhã, o Papa explicou que "o diabo tem duas armas muito poderosas para destruir a Igreja: divisões e dinheiro ... O diabo semeia ciúmes, ambições, ideias, mas para dividir! Ou cobiçar... É uma guerra suja, a das divisões, é como o terrorismo".
Em 13 de outubro de 2017, Francisco descreveu como "o demônio muda lentamente nossos critérios para nos levar ao mundo. Ele camufla nossa maneira de atuar, de uma forma que dificilmente percebemos".
E como podemos deixar de lembrar, finalmente, as palavras com que o Pontífice, na entrevista com Dom Marco Pozza para TV2000 em Nosso Pai, lembrou que o diabo "é uma pessoa" e nunca devemos "falar com Satanás" porque "ele é mais inteligente do que nós".