Últimas notícias

Dupla é baleada ao tentar assaltar estabelecimento comercial de sargento PM em Riachão

Um dos feridos teria fugido na moto usada na tentativa de assalto e deixado o comparsa a pé que acabou tomando uma moto de assalto e fugido para Coité.
Carioca nega ter participado, mas o dono do estabelecimento afirma ter sido ele.
Uma tentativa de assalto ao Mercantil Central, localizado na Rua J. J. Seabra, no centro de Riachão do Jacuípe, deixou os moradores da redondeza muito assustados no início da noite deste sábado (19).
De acordo com as informações, dois homens que chegaram numa moto Honda Bros tentaram assaltar o comercio, de propriedade do sub-tenente PM Noé. A dupla teria entrado no estabelecimento com o objetivo de ‘levar’ os celulares da esposa e da filha do policial. Ao desconfiar da ação suspeita, um filho do militar entrou em luta corporal com um dos assaltantes, foi quando o PM, que estava no fundo do comércio arrumando o estoque, percebeu e começou a trocar tiros com os suspeitos e ambos teriam sido feridos.
Segundo a Polícia, um deles fugiu com a Bros e deixou o comparsa que saiu correndo a pé e mais a frente tomou uma moto e dois celulares de assalto, fugindo com destino a Coité, porém informações dão conta que o mesmo foi deixado no Hospital Português – Unidade Regional de Coité, por um carro que não ficou no local.
Os policiais de Riachão do Jacuípe tomaram conhecimento de que um individuo teria dando entrada no hospital e ao chegar constatou que se tratava de um dos participantes da tentativa de assalto identificado como Rodrigo Alves Dias, 19 anos, vulgo Carioca, ferido na altura do ombro.
Depois de ter recebido atendimento médico, os policiais conversaram com Carioca e ao ser questionado sobre a participação dele na tentativa de assalto, ele teria negado e sobre os tiros disse aos policiais que estava no matadouro fumando maconha quando recebeu os tiros.Versão que não convenceu, pois, sub-tenente Noé descreveu as características físicas e a roupa que vestia eram as mesmas de Carioca.
Até o inicio da madrugada deste domingo, vários policiais de Riachão do Jacuípe aguardavam pela liberação ou transferência do suspeito.
Redação CN | Interior da Bahia