Rádio Web Ferraz

RÁDIO WEB FERRAZ

Últimas notícias

Bolsonaro indica Marcelo Crivella para ser embaixador do Brasil na África do Sul

 

Bolsonaro indica Marcelo Crivella para ser embaixador do Brasil na África do Sul
Foto: Marcos Corrêa/ PR

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) indicou o ex-prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos), como embaixador do Brasil na África do Sul. O nome dele já foi encaminhado ao país africano, que precisa aprovar a indicação.

 

Segundo a Folha de S. Paulo, que confirmou a informação revelada pelo Correio Braziliense, essa escolha causa mal-estar entre diplomatas que veem na indicação uma manobra para beneficiar Bolsonaro. Se o governo da África do Sul aceitar Crivella, a indicação será oficializada e o ex-prefeito será sabatinado na Comissão de Relações Exteriores do Senado.

 

O site da revista Veja ressalta que essa escolha pode também ser benéfica para a Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd), instituição à qual Crivella é vinculado. Ela entrou no continente africano por Angola, ainda em 1992, mas seu maior crescimento em número de templos e fiéis foi registrado na África do Sul, onde a igreja está instalada desde 1993.

 

De acordo com a publicação, o país era tão importante para a expansão da Iurd que seu fundador, o bispo Edir Macedo, chegou a mandar Crivella, então bispo e seu sobrinho, para conduzir o projeto lá. Baseado no país, o hoje postulante a embaixador foi a cerca de outros 20 países africanos para abrir filiais da igreja.

 

Agora a indicação ocorre no momento em que a Universal enfrenta uma de suas piores crises no continente africano, em meio ao rompimento de uma ala de bispos e pastores de Angola com Edir Macedo. Eles tomaram cerca de 200 igrejas no país e o grupo brasileiro tem sido alvo de processos de deportação e investigação por evasão de divisas, lavagem de dinheiro, discriminação e imposições de vasectomia em pastores.

 

A Veja conta que, diante dessa crise, surgiu um conflito entre os aliados Edir Macedo e Jair Bolsonaro, com lideranças próximas ao bispo fazendo críticas públicas contra a forma tímida com que o Itamaraty se envolveu no caso. Eles temem que a revolta em Angola se espalhe pelos outros 30 países africanos onde a Universal está presente.

 

Sendo assim, a indicação de Crivella é vista como uma estratégia para reduzir o desgaste de Bolsonaro com a igreja, além de servir de compensação para o ex-prefeito que perdeu a reeleição mesmo com apoio do presidente. (Atualizada às 7h18)