: Avaliação negativa de Bolsonaro sobe de 44% para 48% - PORTAL FERRAZ E O POVO

Últimas notícias

: Avaliação negativa de Bolsonaro sobe de 44% para 48%

 

Genial/Quaest: Avaliação negativa de Bolsonaro sobe de 44% para 48%

ROSANA HESSEL

Enquanto o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) estica a corda da crise institucional às vésperas do 7 de Setembro, a avaliação negativa do chefe do Executivo volta a crescer nacionalmente e a preferência por terceira via encolhe, dando mais vantagem para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), conforme dados da terceira edição da pesquisa qualitativa feita pela Quaest Consultoria e encomendada pela Genial Investimentos divulgada nesta quarta-feira (01/09). 

Após ficar tecnicamente estável na pesquisa Genial/Quaest de agosto em relação à de julho, passando de 45% para 44%, a avaliação negativa de Bolsonaro cresceu na edição de setembro, chegando a 48% dos entrevistados. Enquanto isso, a avaliação positiva, de 26%, em julho e em agosto, encolheu para 24% na mesma base de comparação. A avaliação regular ficou entre 27%, nos meses de julho e agosto, e em 26%, em setembro.

 

A avaliação negativa de Bolsonaro apresentou crescimento em três regiões entre agosto e setembro: Nordeste, Sudeste e Sul.  Conforme os dados do levantamento, o Nordeste foi a região do país onde a rejeição a Bolsonaro tem o maior percentual, de 59%, acima dos 53% registrados em agosto.

 

No Sudeste, passou de 42% para 47%, na mesma base de comparação. E, no Sul, subiu de 36% para 39%. No Norte e no Centro-Oeste, houve uma leve queda na avaliação negativa do presidente, para 40%, mas dentro da margem de erro de três pontos percentuais. Já avaliação positiva de Bolsonaro cresceu no Sul, passando de 29% para 32% entre agosto e setembro, mas ficou estável no Centro Oeste

 

“Chama bastante atenção a segmentação social da avaliação do governo. Por um lado, o governo é mais bem avaliado por evangélicos, homens, residentes nas regiões Sul e Centro-Oeste, mais velhos e com renda mais alta”, explicou Felipe Nunes, CEO da Quaest e coordenador da pesquisa.  “Por outro, o governo tem mais reprovação dos católicos, residentes do Nordeste, mulheres, mais jovens e com renda mais baixa. São dois mundos sociologicamente muito diferentes”, acrescentou. 

 

Intenção de voto

 

Enquanto a avaliação negativa de Bolsonaro cresce entre o eleitorado, o ex-presidente Lula ganha terreno e mantém a liderança nas intenções de voto no primeiro turno nos cinco cenários pesquisados. E, em um eventual segundo turno, o petista vence todos os candidatos em todos os cenários em que aparece na disputa com Bolsonaro, Ciro Gomes (PDT), João Doria (PSDB) e Rodrigo Pacheco (DEM). 

 

Em um eventual segundo turno, Lula vence vence Bolsonaro com 55% dos votos e Bolsonaro, com 30%, mostra queda na preferência enquanto o petista tem leve melhora. Em agosto, o petista tinha 54% e o atual presidente, 33%. 

 

Já Bolsonaro só venceria em um eventual segundo turno se a disputa fosse com Rodrigo Pacheco. E, mesmo assim com uma margem apertada, de 36% contra 33%. Em segundo turno entre Ciro Gomes e Bolsonaro, o pedetista tem 45% das intenções de voto contra 33% do atual presidente.

 

A principal razão dos entrevistados pelo voto em Lula é a gestão, com 59% das respostas, seguida pela economia, com 12%. Em relação a Bolsonaro, 27% responderam que votam nele pela gestão e 25% dizem que são anti-PT.