Mesmo com desgastes, aliado garante que Bolsonaro vai manter o tom de ataques - PORTAL FERRAZ E O POVO

Últimas notícias

Mesmo com desgastes, aliado garante que Bolsonaro vai manter o tom de ataques

 

Bolsonaro e Barros: crise entre o Executivo e Judiciário tem desdobramentos no Congresso, mas, segundo o deputado do Centrão, não há possibilidade de o grupo se descolar do governo -  (crédito: Alan Santos/PR)
Bolsonaro e Barros: crise entre o Executivo e Judiciário tem desdobramentos no Congresso, mas, segundo o deputado do Centrão, não há possibilidade de o grupo se descolar do governo - (crédito: Alan Santos/PR)

O presidente Jair Bolsonaro manterá o discurso que vem fazendo contra os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), nas manifestações que está convocando para a Esplanada dos Ministérios, em Brasília, e para a Avenida Paulista, em São Paulo, no Dia da Independência, 7 de setembro. “O discurso está pronto, o presidente da República responsabilizará os dois ministros pela crise entre o Executivo e Supremo, eles realmente estão se excedendo”, disse o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), ele próprio investigado pela CPI da Saúde no Senado.No Congresso, há grande expectativa em relação ao posicionamento de Bolsonaro contra o Supremo. Segundo Barros, o presidente da República não pretende ultrapassar “as quatro linhas da Constituição”, mas vai mandar um recado para os demais ministros do Supremo de que Moraes e Barroso precisam ser contidos para evitar maior radicalização, porque ambos “exorbitaram em suas decisões contra o governo e seus apoiadores”. Bolsonaro pretende mobilizar milhões de seguidores, em caravanas que já estão rumando para Brasília e São Paulo, para mostrar capacidade de mobilização e a disposição de radicalizar as ações políticas.

O que mais está incomodando o presidente da República é o inquérito das fake news e as prisões de bolsonaristas radicais, entre os quais está o presidente do PTB, Roberto Jefferson. Essas investigações se somam ao inquérito realizado no âmbito do Tribunal Superior Eleitoral (STF) sobre o financiamento de sua campanha de 2018, que estaria pronto para ir a julgamento. Havendo provas robustas, o TSE tem poderes para considerar o presidente da República inelegível ou mesmo impugnar a sua eleição, por antecipação de campanha eleitoral e financiamento ilegal, respectivamente.