Faroeste: Em sessão sigilosa, TJ-BA determina nova prisão de juiz Sérgio Humberto - PORTAL FERRAZ E O POVO

Últimas notícias

Faroeste: Em sessão sigilosa, TJ-BA determina nova prisão de juiz Sérgio Humberto

 

Faroeste: Em sessão sigilosa, TJ-BA determina nova prisão de juiz Sérgio Humberto
Foto: Divulgação

Em uma sessão sigilosa, o Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) determinou uma nova prisão preventiva do juiz Sérgio Humberto de Quadros Sampaio, investigado na Operação Faroeste. O Pleno do TJ analisou um pedido cautelar de prisão preventiva contra o juiz em uma ação penal relatada pelo desembargador Pedro Guerrra.

 

O caso, segundo a coluna Satélite do Jornal Correio, versa sobre uma suspeita de recebimento de propina de R$ 1 milhão em um dos processos ligados à Operação Faroeste. O juiz está preso desde o dia 23 de novembro de 2019 por venda de sentenças em um caso de grilagem de terras no oeste baiano. A ação foi analisada pelo TJ a partir de uma denúncia do Ministério Público da Bahia (MP-BA) apresentada em julho deste ano, a partir de provas coletadas em investigações da Faroeste e compartilhadas pela Procuradoria-Geral da República (PGR). 

 

Conforme diz a coluna, a denúncia aponta que a quantia foi paga ao juiz para se declarar suspeito de julgar os processos de interesse da Bom Jesus Agropecuária na disputa de terras no Oeste baiano. A intenção era garantir a blindagem da empresa no duelo com o grupo do falso cônsul Adailton Maturino, apontado pela Faroeste como líder do esquema.

 

Durante a investigação, o MP descobriu que o suborno foi repassado ao juiz através de depósitos em dinheiro, e que o saque foi realizado pelo delator da Faroeste, Júlio César Cavalcanti, diretamente da conta bancária do empresário Nelson Vigolo, dono da Bom Jesus. A propina era, então, depositada de maneira fracionada na conta de um “laranja” do magistrado. Só depois os valores seriam transferidos para familiares ou empresas vinculadas a parentes do juiz.

 

Durante o julgamento no TJ-BA, 16 desembargadores se declararam suspeitos de julgar o caso: Maurício Kertzman, Regina Helena Reis, Salomão Resedá, Lidivaldo Britto, Cynthia Resende, Soraya Moradillo, Regina Helena Silva, José Aras, Manuel Bahia, Lisbete Cézar Santos, Pilar Tobio, Maria da Purificação, Inez Miranda, Aldenilson Barbosa e Nágila Brito.