Datafolha manda Lula encomendar terno novo para a posse; petista lidera pesquisa para presidente em 2022 - PORTAL FERRAZ E O POVO

Últimas notícias

Datafolha manda Lula encomendar terno novo para a posse; petista lidera pesquisa para presidente em 2022

 Datafolha manda Lula encomendar terno novo para a posse; petista lidera pesquisa para presidente em 2022

Datafolha manda Lula encomendar terno novo para a posse; petista lidera pesquisa para presidente em 2022

Luiz Inácio Lula da Silva venceria todos os adversários se a eleição de 2022 fosse hoje, assegura o Datafolha, que mandou o petista encomendar novo terno para a posse no dia 1º de janeiro de 2023. No cenário mais crível, o ex-presidente vence já no primeiro turno porque ele lidera com 44% das intenções de voto contra 26% de Jair Bolsonaro, 11% de Ciro Gomes e 6% de João Doria. A soma dos adversários de Lula chega a 43%.

No cenário de um eventual segundo turno, ainda de acordo com o Datafolha, Lula tem 56%, Bolsonaro 31%, Ciro 29%, Doria 23%.

O Datafolha vê estagnação da terceira via, que aposta no derretimento de Bolsonaro e surgimento de um novo anti-Lula a partir de abril do ano que vem.

No entanto, a pesquisa aponta um quadro de desalento para a velha mídia corporativa e setores da burguesia paulista que veem apostando numa terceira. O fracasso dessa “alternativa” pôde ser vista na manifestação organizada pelo MBL e Vem Pra Rua no domingo, último dia 12 de setembro.

O levantamento do Datafolha foi realizado entre os dia 13 e 15 de setembro. O instituto ouviu presencialmente 3.667 eleitores em 190 cidades. A margem de erro é de dois pontos para mais ou menos.

O último pelotão na pesquisa do Datafolha não faz cócegas e não altera o cenário: José Luiz Datena (PSL, 4%), a senadora Simone Tebet (MDB, 2%), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM, 1%), e o ex-ministro Aldo Rebelo (sem partido, 1%

O Datafolha mostra que tanto faz se o candidato do PSDB é Doria ou o governador gaúcho Eduardo Leite e que Ciro Gomes fidelizou seu público dentro do teto máximo histórico de 10%, ou seja, ele pontua o mesmo que nas eleições anteriores que disputou (1998, 2002 e 2018) – mas o pedetista perde em casa, o Ceará, para o ex-presidente Lula.

Na prática, o Datafolha também se despende de Bolsonaro: ‘adeus, querido!’