Rádio Web Ferraz

RÁDIO WEB FERRAZ

Últimas notícias

Deputado do PT aciona Michelle Bolsonaro por 'propaganda eleitoral' em rede nacional de TV

 

Deputado do PT aciona Michelle Bolsonaro por 'propaganda eleitoral' em rede nacional de TV
Foto: Reprodução / TV Brasil

O deputado federal e ex-presidente do PT Rui Falcão (SP) acionou a PGR (Procuradoria-Geral da República) contra a primeira-dama Michelle Bolsonaro e a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Cristiane Rodrigues Britto, por improbidade administrativa e propaganda eleitoral antecipada.
 

Falcão é também coordenador de comunicação da campanha do ex-presidente Lula (PT). Na noite de domingo (8), a primeira-dama e a ministra participaram de uma ação atípica e usaram a cadeia nacional de TV e rádio para falas sobre o Dia das Mães (leia mais aqui).
 

Por quase cinco minutos, a esposa do presidente Jair Bolsonaro (PL) e a titular da pasta alternaram falar com considerações sobre o que é ser mãe. E divulgaram programas do governo direcionados às mulheres.
 

A peça foi recheada de frases enaltecendo a maternidade.
 

"Por vezes, abrimos mão de nossas vontades para acolhermos nossos filhos e oferecermos o melhor para eles. Ser mãe é chamar para si a maior e mais divina das responsabilidades", disse Michelle Bolsonaro.
 

"Por conhecer os desafios da maternidade, temos o compromisso de cuidar das mães do nosso país", disse ainda a primeira-dama.
 

"Como mãe, trabalho diariamente para construir um futuro melhor para o Flavinho. Ele só tem três anos e talvez ainda não entenda, mas tenho certeza que todo o esforço de hoje vai valer a pena", disse a ministra Cristiane.
 

A ministra ainda afirmou que Michelle, como ela própria e outros milhões de mulheres, era uma "bênção para o nosso país".
 

Na representação à PGR, o deputado Rui Falcão afirma que Michelle Bolsonaro buscou benefícios pessoais ao se enaltecer e buscar melhorar "a imagem desgastada do presidente da República junto ao eleitorado feminino brasileiro".
 

Falcão ainda destaca que a rede nacional de rádio e televisão é destinada a pronunciamento dos chefes dos três Poderes e, eventualmente, para a transmissão de comunicados de ministros de Estado.
 

Michelle e a ministra não teriam feito nada disso. A primeira-dama teria apenas apresentado "sua condição pessoal de mãe e sua visão própria da maternidade".
 

Diferentemente do que "ocorreu nos outros três anos do governo Bolsonaro, concedeu-se valiosíssimo espaço publicitário em todas as rádios e TVs do país para que a primeira-dama pudesse apresentar-se ao eleitor brasileiro como uma mãe zelosa, como uma mulher abençoada", diz ele, referindo-se à forma como a ministra Cristiane a apresentou ao público.
 

O parlamentar afirma ainda que não há razão jurídica para que Michelle tenha protagonismo em mensagem de Dia das Mães, uma vez que é primeira-dama e presidente de conselho voltado apenas a políticas públicas para o trabalho voluntário.
 

"O desenrolar dos fatos deixa claro que houve desvio de finalidade no ato convocatório porque o espaço publicitário acabou ocupado não apenas pela ministra, mas também pela esposa do presidente que terá a função, nesses meses anteriores ao pleito de outubro de 2022, de amenizar a imagem do presidente junto ao eleitorado feminino", diz o parlamentar na representação.
 

O ex-presidente do PT ainda afirma não ser relevante para os cidadãos saber que a primeira-dama abre mão de suas vontades para acolher os filhos e oferecer o melhor para eles.
 

"Nenhum brasileiro, também, necessita saber por meio de publicidade oficial que a ministra titular da pasta das Mulheres, da Família e dos Direitos Humanos trabalha 'diariamente para construir um futuro melhor para o Flavinho'", segue Falcão, em referência à fala de Cristiane Britto sobre seu filho.
 

"Claro que, se esses pontos são tangidos pela publicidade, é porque o seu foco está nas personalidades que estão na tela, e não apenas em atos e programas do governo", afirma a ação.
 

Rui Falcão é representado pelos advogados Hélio Freitas de Carvalho da Silveira, Marcelo Santiago de Padua Andrade, Marco Aurélio de Carvalho e Fabiano Silva dos Santos. Eles pedem que a representação seja recebida pela PGR e encaminhada à Procuradoria-Geral Eleitoral, ligada ao Ministério Público Federal.
 

O uso de cadeia de TV e rádio para esse fim jamais foi adotado pela gestão Bolsonaro nos três anos anteriores, em 2019, 2020 e 2021. Além disso, a prática destoa das regras divulgadas pelo próprio governo federal para utilização do expediente.
 

Segundo a norma do Planalto, "a formação de rede nacional de rádio e televisão [existe] para atender à solicitação de transmissão de pronunciamentos dos chefes dos três Poderes da República e, eventualmente, para transmissão de comunicados de ministros de Estado em temas de relevância e interesse nacionais, como campanhas de vacinação para evitar epidemias".
 

Michelle, que coordena o programa Pátria Voluntária, encerrou o vídeo dizendo abraçar "cada mãe desse Brasil [...], todas as mães heroínas deste país".